terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Tá difícil ser eu sem reclamar de tudo.

Talvez seja culpa da atual fase lado b da minha bipolaridade. Ou só mais uma TPM. Mas, quando você percebe que as pessoas ao seu redor têm o mesmo script arrastado e contam os minutos no relógio para lançar seus bordões ensaiados - sempre acompanhados das respectivas gags -, você só se pergunta quando é que a cortina vermelha vai descer, pra finalmente a cambada de deslumbrados wannabe poder bater suas palmas cadenciadas. Sempre em pé, porque agora só se batem palmas em pé - como se tudo fosse sempre muito digno.

Se cada um tem seu show, quero todos os figurantes imediatamente fora do meu. Fora. Que procurem justa causa, gritem, esbravejem, duvidem da dignidade da minha mãe. Mas sumam daqui.

Por que diabos não posso ter só as pessoas queridas por perto - as pessoas queridas, que são verdadeiras sem encherem o saco com suas verdades opacas?