sexta-feira, 27 de março de 2009

Faça o que eu digo, não faça o que eu faço.

Eliana Tranchesi deve ser punida, pois cometeu um crime grave contra os cofres públicos. Deve, portanto, pagar tudo o que sonegou, com os devidos reajustes, e responder pelo tempo devido que tais crimes do contribuinte para com o fisco exigem por lei. Isso já seria algo inédito por aqui. Mas acho tanto a pena de 94 anos quanto a alegação de doença em estágio avançado para se safar dela espetáculos igualmente lamentáveis. A justiça que utilize o rigor penal devido, com mais seriedade e menos glamourização; e Eliana Tranchesi que tomasse jeito antes (a autuação foi reincidente), para não chegar a este estágio da doença com uma pena desse porte nas costas.

Não vou entrar na questão de que é necessária uma reforma fiscal urgente, porque é praticamente impossível ao contribuinte ter alguma prosperidade financeira com a atual política de taxação brasileira - o que não justifica que uns se desdobrem para pagar impostos enquanto outros, cujos rendimentos são estratosféricos, se safam da tributação. Logo, se houve dinheiro sonegado, deve ser pago - e o mais rápido possível, afinal, já houve o lucro.

No entanto, o governo e a justiça ensinam o contribuinte como se comportar - e o punem severamente caso não entendam a lição. Mas não seguem o mesmo manual de etiqueta.