quinta-feira, 23 de abril de 2009

O captain, my captain!



Happy kingdom of Loserland: a short history

Com o tempo, o orgulho passa a ser uma via de mão dupla: serve pra mostrar como a meritocracia funciona a seu favor, mas igualmente serve pra te tornar distante da realidade funcional das coisas. Explico: com a política das súplicas constantes, fica cada vez mais difícil avaliar se uma coisa não deu certo pra você porque o outro foi lá, indigna e descaradamente chorar implorando por uma oportunidade, ou se o outro se deu melhor simplesmente porque merecia mais que você. Porque as pessoas simplesmente imploram por tudo, até pelo que não precisam. Pedem, cobram, suplicam, dizem que estão passando fome e aquela ladainha toda. A minha política é a da Lilian Gonçalves: estou sempre bem. Posso ser a cansada, a estressada, a melancólica. Mas a que precisa de ajuda, a coitadinha, não. E aí está o problema: isso não funciona no mundo atual. Porque a meritocracia foi pro espaço. Tem que ter uma lágrima tímida no canto dos olhos prestes a cair, a cabeça baixa e, principalmente, a exímia habilidade de tornar o próximo importante, reconhecendo-o como entidade superior que tem o poder de salvar a sua vida. O captain, my captain! (Ah, Whitman, só não te avacalho porque o Lincoln já tinha batido as botas mesmo.)

A culpa de tudo isso é dessa coisa cretina toda de sou brasileiro e não desisto nunca, sou guerreiro e outras bobagens mais de marketing loser feito sob medida pra população bonita e batalhadora deste nosso Brasil. Fato é que não tem que vestir a camisa da seleção e sair por aí enchendo os pacovás de ninguém, cobrando, pedindo, mostrando as contas do mês; tem que merecer, ser bom no que faz. Isso, claro, se a realidade fizesse algum sentido. Mas hoje em dia o pessoal tá mendigando até namorado, então como é que dá pra cobrar alguma dignidade? Você liga a televisão e tem sempre alguém implorando pro outro voltar, alguém mantendo a criatura amada (?) em cativeiro porque tomou um chute. O cara incompetente que já aprontou todas pede pra não ser mandado embora, o bêbado metido a Tyson da casa diz que vai mudar. E todo mundo acredita. Porque com lágrimas nos olhos e contas debaixo do braço todo mundo é bonzinho e merece uma chance.

Mais orgulho, minha gente, mais orgulho.