sexta-feira, 1 de maio de 2009

Admirável mundo sem lembranças.


Se você assistiu ao filme Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças e não para de pensar em quão fabuloso seria editar as memórias de sua mente, prepare-se: cientistas do Brooklyn fizeram experimentos com uma dose de droga experimental e conseguiram manipular algumas áreas específicas e significativas da memória, inclusive a relacionada às recordações amorosas. A notícia é do The New York Times.

Por enquanto, só foram feitos testes em animais, mas, se os resultados se mostrarem de fato eficazes, o intuito, supostamente, é administrar a droga em pacientes com problemas psiquiátricos, além de servir como mais uma ferramenta para dar uma turbinada na memória dos intelectuais nossos de cada dia.

A quem consegue enxergar essa descoberta científica apenas como a cura para as memórias dos romances bandidos que teve nesta vida, fica a questão: por quem e em quais circunstâncias será usada essa substância e quem terá acesso a ela?