segunda-feira, 29 de junho de 2009

A mudança.

O quadro na parede - sua melhor e mais cara aquisição em tempos - parecia perfeito. Imponente, indiferente à ação do tempo, apesar de vez ou outra precisar de um pequeno ajuste ângular na parede, por conta dos inesperados terremotos. Um dia, cansada de encontrá-lo sempre no mesmo lugar, decidiu mudá-lo e (surpresa!) ele ruiu, ao toque imperativo das mãos.

Devorado que estava pelo silencioso e bem-feito trabalho das traças, essas criaturas tão misteriosas, obstinadas e discretas.