terça-feira, 18 de agosto de 2009

Dupla identidade natural.


Daí que estou ficando cega, isso é um fato. E só o que me falta pra ser uma figura totalmente sem passado e isenta de abordagens das personae non-gratae deste mundo bonito é meter um óculos na cara. Porque, vejam, lido constantemente com a frase "Luciana? É você!?". Fácil de entender: até uns 5 anos atrás, eu era magrela - resultado do vício de jogar vôlei -, usava aparelho nos dentes, tinha o cabelo enorme (normalmente preso com rabo de cavalo ou trança), umas tantas espinhas na cara e sempre uma mochila velha nas costas, calça surrada, camiseta branca e chinelo nos pés. Uns tantos anos depois, cá estou eu, com uns tantos quilos a mais, sedentária, sem espinhas, sem aparelho, cabelo curtinho e sempre solto e com um vestuário mais digno (nada de mais: só não ando mais vestida de Ventania por aí).

O fato é que ando enxergando mal pra diabo - ossos do ofício -, e fica inevitável ter de seguir mais essa etapa para o meu completo anonimato. Com óculos, serei definitivamente uma pessoa sem passado, personagem incólume entre a turba bonita e brasileira de saudosistas que busca reviver um tempo bom que não volta nunca mais.

Perfeito.