segunda-feira, 21 de setembro de 2009

O verdadeiro preço de um pé de amora e dicas imperdíveis para sua prosperidade econômica.


Toda vez que estou trabalhando em algum projeto bizarro lembro do Ciro, o tradutor de russo do filme Cão Sem Dono - um dos melhores nacionais de todos os tempos, diga-se de passagem -, que mesmo sem um único centavo no bolso se recusa a pegar trabalho tosco e mal-remunerado pra fazer. Nesses momentos, tenho vontade de jogar tudo pro alto e me apegar fervorosamente à ideia de que dinheiro não traz felicidade e a todas aquelas teorias iluminadas tão em voga, dignas de líderes religiosos espirituosos (não literalmente falando). Mas aí eu lembro daquela casa com pé de amora no quintal onde eu quero morar com ma lil' fish e das 379 viagens que eu ainda pretendo fazer. Então, esqueço logo de todas essas teorias e retomo o trabalho com o bom e velho espírito de Trump no corpo, achando que, no fundo, o excesso do advérbio "onde" num texto tem até o seu charme.