segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Lord, don't leave me all by myself.

Algumas semanas atrás assisti ao filme uruguaio Gigante e o achei fabuloso. Principalmente por abordar de forma tão brilhante os problemas de comunicação do homem contemporâneo e nossa forma, muitas vezes precária, de estabelecer contato. Ao mesmo tempo, o filme ilustra o quanto a possibilidade de interação efetiva e humana muda a nossa percepção de mundo e cria estímulos que não podem ser encontrados na comunicação executada de forma mecanizada, com o mero intuito de fazer girar o conceito de civilização.

Nessa linha, descobri este vídeo de 12 minutos chamado Signs, que mostra o tedioso cotidiano de um profissional forçado a lidar com a comunicação padrão até o momento em que encontra uma nova e silenciosa forma de contato que passa a mover sua rotina e dá um novo sentido à sua vida. Não à toa, a peça (feita sob encomenda para a Schweppes pela agência Publicis, da Nova Zelândia, sob direção de Patrick Hughes) foi premiada no Festival de Publicidade de Cannes na categoria Viral Video.

Vale 12 minutos do dia e inspira a prestar atenção em um valioso e desconhecido mundo que pode ir muito além das convenções, desde que nos proponhamos a enxergá-lo.

(Moby me entenderia.)