quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Hey, teachers, leave them kids alone.


Essa poderia ser a frase eterna que define minha visão sobre a maioria dos professores, tendo como base as dúzias com quem cruzei ao longo de minha vidinha estudantil, não fosse uma minoria que me ensinou coisas realmente úteis. Não sobre geometria espacial, verbos defectivos e as capitais de todos os países africanos, mas sim que me despertaram habilidades e paixões que eu não sabia ter. É o caso da professora Marta, do primário, que me estimulou a desenhar; do Mariano, no ginásio, que despertou meu lado político; do Edilson, no colegial, que me fez ter fascínio por teorias de evolução e afins; e do Camilo, na faculdade, que me fez entender que o melhor jeito de ser tudo o que eu quiser é com caneta e papel.

A eles e aos afins, que estimulam ao que de fato é importante saber, feliz dia dos professores.