segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Por que o mundo não é um lugar legal.

Falei sobre maridos de aluguel semana passada, achando que isso já era motivo o bastante para uma pequena revolta popular (percebam que os ideais que me movem não são lá muito dignos). Mas eis que a Nina me apresenta os amigos de aluguel: rapaziada descolada preparada para curtir loucamente as maiores aventuras com jovens e velhinhos. Tudo isso para o seu conforto, e não para a saúde financeira desses nobres prestadores de serviço. Então, aproveitando a onda de profissionais de aluguel altruístas e preocupados com seu bem-estar, fica a sugestão para a criação do ofício de pai de aluguel: o camarada que paga todas as suas contas exigindo em troca apenas um abraço formoso no dia dos pais e boas notas durante a vida estudantil. O diferencial da versão de aluguel seria o de estender esse fantástico benefício à vida adulta (sem a exigência dos estudos, para o maior conforto do contemplado), com crédito ilimitado nas mais diversas ocasiões, válido também para o cônjuge e para a prole do casal. Adorável, não?