quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

A aventura da banhista.


Talvez a vida seja só uma sequência alucinante de sonhos abandonados por questão de incompatibilidade prática e uma meia dúzia de adoráveis imprevistos que dão algum sentido a tudo isso. Viver cansa e faz mal pra pele, é fato, e tenho a impressão de que nunca vou saber se essa encenação toda que chamam de vida vale realmente a pena. Mas eu me arrisco, porque, afinal, meia dúzia de adoráveis imprevistos é muito mais do que meu confuso, frágil e diminuto plano de metas vitalício poderia querer - ainda que tudo implique sempre em exposição, e eu preze demais pela leveza das imagens raras.