segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Feeed me!


Por sorte, lil' fish e eu resolvemos ter plantas, e não filhos, já que a chacina botânica é moralmente aceita, enquanto o infanticídio ainda não é visto com bons olhos pela sociedade - apesar dos índices vistosamente contraditórios. De qualquer modo, o fato é que, cansados de ser motivo de chacota entre a velha guarda familiar, decidimos investir maciçamente em nosso projeto florestal: fomos a uma loja de jardinagem e angariamos dicas, adubos, vasos e uma quantidade significativa de plantas e ervas para cultivo: clúsia, alfazema, arruda, erva-doce, melissa, tomate-cereja, salsão, alecrim e malagueta - que vieram fazer companhia ao antúrio, ao kalanchoe e ao bonsai - remanescentes do cultivo assassino que resultou em mortes diversas e causou revolta e espanto na comunidade local. Daí, colocamos os temperos em uma jardineira megalomaníaca que fica na sacada, a clúsia está na sala junto com o antúrio, e o bonsai faz companhia ao kalanchoe amarelo - ora na sala, ora na sacada. E todos estão ali, verdes, felizes e sacolejantes, o que me faz, finalmente, ter um projeto de vida: comprar um terreno em São Bento do Sapucaí e cultivar o maior jardim/horta da galáxia. Isso, claro, se as plantas vingarem, se eu não morrer de alergia e se o meu apartamento não se transformar em um remake tupiniquim de A Pequena Loja dos Horrores.