quarta-feira, 31 de março de 2010

As pessoas na sala de jantar.

. Sim, o mau humor continua aqui, ao meu ladinho, aquecendo minhas mãos frias e fazendo juras de amor eterno.

. É difícil manter a fé na humanidade quando se vê alguém com uma coxa de frango tatuada nos ombros. Repetindo: coxa de frango. Alguém precisa deter essa juventude.

. O que diabos o Martinho da Vila está fazendo na lista de candidatos a imortal da ABL? O pior: ele é, de longe, o pretenso imortal mais razoável - além de ter algum senso de humor, tem também menos de 178 anos.

. Difícil conceber a possibilidade de morar em um país que tenha Michel Temer na vice-presidência. Ainda compro uma nação só pra mim (a Islândia ainda está à venda no e-Bay?).

. Largar tudo e virar caminhoneira aos 29 anos é uma opção válida? (Carga Pesada feelings.)

. Que porcaria é essa de capital erótico? Agora estão institucionalizando a putaria? (Sem querer desmerecer o congresso, por favor.)

. Ver a rapaziada soltando fogos por conta da prisão dos Nardoni foi o episódio mais vergonha alheia de toda a minha vida. Não estou subestimando o impacto da morte da menina, mas não vejo ninguém ficar indignado com desvio de verba pública, por exemplo, que prejudica letalmente um contingente muito maior. Enquanto a rapaziada se manifestava insandecidamente por "justiça", dezenas de crianças morreram no Maranhão por falta de leito em hospital. E isso é grave, porque os impostos são pagos para prover assistência, e não para fazer as vezes de absorvente íntimo masculino. Daí eu ouço as pessoas rindo ao falar sobre esses episódios como se a corrupção fosse uma questão totalmente humorística. Isso não é humor; é crime. A corrupção brasileira, em números, certamente já matou mais do que o nazismo. Infinitamente mais que os Nardoni.

*errata