terça-feira, 20 de abril de 2010

Dom.



Chegar em casa e encontrar na geladeira apenas restos estropiados de refeições felizes (ou nem tanto, se a cozinheira em questão tiver sido eu) representa um desgosto sem precedentes na vida de um perdedor nato - o que é o meu caso. No entanto, um vencedor vê a situação como um estimulante desafio de superação, garra e desprendimento fisiológico, e esse é o caso de lil' fish, que tem se mostrado o maior chef sustentável de todos os tempos.

Enquanto um Alex Atala da vida vem com esse papo megalomaníaco de que um prato verdadeiramente saboroso e original tem um preço (o seu rim esquerdo, por exemplo), Mr. Le Poisson mostra para toda a galáxia que chef de verdade é aquele que sabe lidar com adversidades e que está antenado com as tendências sociais de melhor aproveitamento de comida, transformando, assim, verdadeiros desaforos imagéticos e glaciais em supra-sumo dos deuses. Em termos comparativos, lil' fish revela-se, cada vez mais, uma espécie de Artacho Jurado da gastronomia (porque formação específica é coisa de quem não tem dom, e aqui só trabalhamos com fenomenologia).

Aguarde, Restaurant Magazine: um novo talento (este, sim, inovador, criativo e exuberante) está por vir. Por enquanto, a sorte é toda minha.