sexta-feira, 11 de junho de 2010

Impávido colosso.

Sempre penso (em especial nesta época de Copa) no quanto o Brasil é prejudicado por conta do hino cascateiro que escolheu para chamar de seu. Enquanto em tantas outras nações o recado é para que a rapaziada se organize e vá para as ruas em busca de alguma dignidade, aqui o esquema é falar de sol, rolinhas, prados, campinas e tudo o mais que remeta à abertura dos Teletubbies. Ainda hoje as crianças cantam o hino nas escolas em fileira, e perceba como são justamente as que têm domínio da letra aquelas que invariavelmente tomam petelecos generosos na hora do intervalo. A Amazônia com seus dias contados, a rapaziada apavorando na emissão de gás carbônico e o planalto se transformando no maior coletivo stand-up comedy de baixo nível da galáxia, e nego ainda vive a ilusão bonita de que vivemos num Eldorado tropical. O resultado: o país mais passivo, romântico e ingênuo da galáxia.