quinta-feira, 22 de julho de 2010

Eleições, constrangimento e Tarantino.

Acho contraditório ser convocada, sob ameaça, para trabalhar nas eleições – a tal da “festa da democracia”, como dizia o comercial. Então, o esquema eleitoral é democrático, mas você tem que: 1. ir à votação, ou ao cartório eleitoral pagar multa (caso não vote); 2. escolher/deixar que escolham entre meia dúzia de péssimas opções indicadas por partidos que não lhe representam; 3. abrir mão da sua inconformidade ao ser forçado ("convocado") a estar belo e formoso pagando de comparsa festivo em um evento que não lhe atrai. Quer dizer: todo um constrangimento que te dá a sensação de ser Shosanna Dreyfuss na première de Nation’s Pride – sem a melhor parte, a da devida vingança. Tarantino, saia deste enredo que não te pertence.