terça-feira, 20 de julho de 2010

Mau humor.

Eu fico absurdamente incomodada com piadinhas em cima de bárbaries. É o caso, agora, do festival de pseudo-humor em torno do sumiço da ex-amante do goleiro Bruno. Como foi, em outros tempos, em torno da história dos Nardoni, e de tantos outros. Tem uma série de exemplos que eu poderia citar para ilustrar o incômodo, mas não quero fazer propaganda desse material ruim por aqui.
Não se trata de politicamente correto ou não; a questão é a banalização de coisas que não devem se tornar banais. Quem caminha a anos-luz de entender o que é, de fato, violência não deveria se arriscar a fazer humor, não apenas sob o risco de parecer grotesco, mas também extremamente ignorante - ao contrário do que se presta a parecer. Essa premissa também explica o péssimo nível de 100% dos
humorísticos [sic] nacionais - desconheço os internacionais, a saber.