quinta-feira, 12 de agosto de 2010

We're not gonna take it!

Yann Tiersen e eu estávamos concentrados em meu trabalho quando, aqui do sétimo andar, ouço uma marchinha contemplada com as mais variadas e surreais rimas infames da galáxia, anunciando um candidato bizarro. Isso acabou com minha tarde por dois motivos: 1. me lembrou que fui gentilmente convocada para ser mesária nas eleições - a tragédia do ano/da vida; 2. me lembrou que chegou o período gostoso do ano em que os candidatos tratam as ruas, as retinas e os tímpanos do cidadão como uma grande Sapucaí versão açaí na veia. Enfim, esta época sempre me estimula a soltar os cabelos, franzir as sobrancelhas, pegar uma jaqueta de couro surrada e sair pelas ruas, na pegada da fúria, cantando isto aqui (15 anos: minha eterna referência):


Obs.: a quem não conhecer, este clipe - principalmente a abertura - é a melhor coisa dos anos 1980.