quarta-feira, 1 de setembro de 2010

IBGE, xamanismo e charlatanismo.

Rolou visita do IBGE anteontem aqui no prédio, meio que intimando os bastardos que não compareceram no domingo ao salão de jogos a informarem seus dados, sob pena de multa, prisão, morte e mutilação. Nesse contexto, lil' fish e eu criamos um roteiro de respostas para dar à agente. Dentro das perguntas que imaginamos que seriam feitas, bolamos algo mais ou menos assim:

Vocês são casados?
Não.

Têm filhos?
Ele tem. 6.

De outro casamento?
Não, não. Produção independente.

As crianças moram com vocês?
Não, moram em abrigos ou foram vendidas para tráfico de órgãos.

Têm carro?
Não.

Computador?
Não.

Televisão?
Não.

Geladeira?
Sim, 18.

Escolaridade?
Não.

Qual é a escolaridade? Médio, superior.
Nunca frequentamos escola.

Trabalham em regime CLT?
Oi?

Média salarial?
150 mil reais.

Imóvel próprio ou alugado?
Alugado.

Têm plano de saúde?
Só trabalhamos com xamanismo.


Apesar do roteiro, chegamos ao salão prontos para desempenhar nosso papel de cidadania e dizer apenas a verdade, nada mais que a verdade, e tivemos de responder a apenas 5 perguntas:

1. Nome; 2. data de nascimento; 3. imóvel próprio ou alugado; 4. média salarial; 5. e se estivemos fora do país no último ano.

Só isso. A moça que nos entrevistou ainda teve a coragem de dizer que "ah, tem umas perguntas aqui que a gente não faz, né?". Sobre escolaridade, fonte de renda, carteira assinada, plano de saúde etc., suponho. Oi?

É sempre assim: não dá pra criar a expectativa de sacanear órgãos públicos. Eles sempre saem na frente.